terça-feira, 26 de setembro de 2017

Hannelore Brenner, autora do livro “As Meninas do Quarto 28”, palestra no Recife

Foto: Divulgação
Além da escritora alemã, as professoras Dra. Barbara Heller (UNIP) e Dra. Priscila Perazzo (USCS), mais as curadoras Karen Zolko e Dodi Chansky, também estarão presentes no evento, que ocorre dia 27 de setembro, na Galeria Janete Costa


As vítimas do holocausto têm muitos nomes e histórias. A escritora alemã Hannelore Brenner conta com detalhes no livro “As Meninas do Quarto 28”, o cotidiano de Helga, Flaka, Zajiek, Marta, Judith, Eva, Handa durante os dois anos que passaram presas no campo de concentraçãodurante a 2ª Guerra Mundial. Adaptada do livro, a exposição de nome homônimo, em cartaz no Recife, promove palestras com a autora, que falará como surgiu a ideia de relatar a história das poucas crianças do gueto de Theresienstadt, na República Tcheca, que sobreviveram ao nazismo; com as professoras Dra. Barbara Heller (UNIP) e Dra. Priscila Perazzo (USCS) sobre “O Processo Editorial e a Construção da Memória: As Meninas do Quarto 28”; e as curadoras Karen Zolko e Dodi Chansky, que explicarão como a exposição chegou ao Brasil. Com entrada gratuita, o evento ocorre dia nesta quarta-feira, dia 27 de setembro, às 17h, na Galeria Janete Costa – Parque Dona Lindu.


Foto: Divulgação
MOSTRA - Adaptada do livro da jornalista alemã Hannelore Brenner, a exposição internacional “As Meninas do Quarto 28” cumpre temporada no Recife, a partir do dia 11 de agosto, na Galeria Janete Costa, Parque Dona Lindu. Vista por mais de 40 mil pessoas em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Brasília, a mostra, que chegou ao Brasil após passar por diversos países da Europa e Israel, relata o dia a dia de cerca de 50 meninas que viveram por dois anos no campo de concentração de Theresienstadt, na República Tcheca, durante a Segunda Guerra Mundial. Com entrada franca, fica em cartaz até 29 de outubro.

São 50 desenhos e uma réplica de 18m² do quarto em que as crianças judias ficaram aprisionadas, além de painéis com detalhes históricos da época. Dos mais de 15 mil jovens, entre 12 e 14 anos, que viveram no campo de concentração, de 1942 a 1944, somente 93 sobreviveram – 15 deles sobreviventes do Quarto 28. “Trouxemos uma exposição para o Brasil que emociona muito. É tocante ver o poder transformador da arte, mesmo para aqueles que viveram numa realidade tão difícil. Por todos os lugares que passou, a mostra teve uma excelente receptividade, tem algo humano que ela transmite e que foi inteiramente compreendido pelos visitantes nas quatro edições que fizemos”, explica Karen Zolko, familiar de uma das meninas que habitou o Quarto 28 e representante da exposição no Brasil ao lado da sócia Dodi Chansky.

*Da Assessoria de Comunicação

Serviço:

- Palestras com Hannelore Brenner 
Dia 27 de setembro (quarta), das 17h às 19h30
- Mostra:
As Meninas do Quarto 28
Visitação: Até 29 de outubro
Galeria Janete Costa (Parque Dona Lindu) - Av. Boa Viagem, s/n, Boa Viagem
Telefone: (81) 3355-9825

Entrada gratuita.
Horário de visitação:
De quarta a sexta, das 12h às 20h 
Sábados, das 14h às 20h
Domingos, das 15h às 19h

Nenhum comentário:

Postar um comentário